Hauser Estratégia & Participação
Projetos Criativos e Inovadores

Projetos e Oportunidades de Negócios

Alguns Estudos e Projetos Inéditos da HEP


                                Projeto Apoio

Projeto Apoio se prende ao treinamento profissionalizante de pessoas que apresentem as mínimas condições psicoeducacionais que permitam desempenhar com qualidade a função de "cuidadores" de pacientes geriátricos e ou deficientes, independentemente da classe social a que pertençam. Via de regra, os cuidados familiares além de não proporcionarem uma real melhoria da qualidade de vida dos pacientes, exigem a perda de um grande número de horas de trabalho das famílias que tem a obrigação de atender a seus idosos e ou deficientes. Os cuidadores, terão por obrigação cuidar da administração pontual dos fármacos receitados por médicos, da movimentação física ortopédica indicada pelos fisioterapeutas, da higiene pessoal dos pacientes e por fim de oferecer aos pacientes meios de convivência social.
(veja apresentação Projeto Apoio)


Agro-Carbo (Eco-Charcoal)

Este projeto tem por objetivo exploração comercial do processo agroindustrial produtivo do carvão vegetal siderúrgico orgânico de alto poder calorífero, em região produtora de minério de ferro próxima a siderurgia primária, produtora de ferro gusa (pig iron). O Eco-Charcoal tem por insumo base o coco de Macaúba, de Babaçu, de Ouricuri, e de Jací, inicialmente produzidos em florestas naturais que serão reflorestadas complementarmente com mudas das espécies naturais tecnicamente preparadas em módulos de 20.000 hectares. O insumo coco será convertido em carvão vegetal siderúrgico de alta qualidade através de pirólise ou micro-ondas, para ser utilizado na indústria s idermetalúrgica primária e na indústria siderúrgica de aços finos no Brasil e no exterior.
(veja apresentação Projeto Agro-Carbo)


Triticultura nos Estados do Nordeste

Em áreas selecionadas dos Estados Nordestinos, em função de suas condições edafoclimáticas, isto é, solo, clima e disponibilidade de água, correção do solo, implantar a triticultura nas regiões do sertão e do agreste nordestino, tomando-se por base a tecnologia da EMBRAPA e também com o apoio da FAO, em parceria com os órgãos e ministérios com ela conveniados, além da SUDENE, BB, BNDES através de cooperativas agrícolas legalmente instituídas. O sertão e o agreste nordestino brasileiro se estendem por nove Estados (Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia), nos quais existem regiões aonde a implantação da triticultura é perfeitamente possível associada a rotação das culturas ali cultivadas o que acarretará uma completa transformação sócio econômica e financeira na região com a criação de empregos diretos e indiretos através da agricultura e da industrialização de sua produção, que agregará mais valia à produção. (veja apresentação Projeto Triticultura)

Café em Roraima

Visa o desenvolvimento agroindustrial do Estado de Roraima, com a participação dos agricultores, dos meios universitários, dos pesquisadores, de empreendedores, e integrando industrialmente e comercialmente o Estado ao seu entorno, aos seus países vizinhos. Considerando o paralelismo geográfico referente a latitude do Estado de Roraima em relação aos Departamentos Colombianianos, produtores de café em relação a linha do Equador, bem como a semelhança das condições edafoclimáticas, solo vulcânico e chuvas bem distribuídas anualmente e ainda a altitude variando de 600 a 2.000 m. que são encontradas no do Estado de Roraima, o Estado de Roraima apresenta condições básicas para a implantação da cultura técnica cafeeira da espécie arábica cultivadas com sucesso na Colômbia.
(veja apresentação Projeto Café)

Porto Atlântico e Rede Logística Paulista

O Estado de São Paulo responde por 33% do PIB brasileiro e seus Estados lindeiros por outros 30%. A circulação dessa produção agrícola e industrial depende da disponibilização de umCafa eficiente rede logística e portuária para levar essa produção aos mercados nacionais e internacionais. A Rede Logística Paulista e o Porto Atlântico compõem um macro projeto de integração das atividades logísticas onde Complexos Multimodais serão construídos nos principais entroncamentos (ferroviário, fluvial, rodoviário) desses Estados, com base em critérios específicos, a fim de operacionalizar e transportar grandes massas de produtos (carga) entre eles e a um novo Porto Atlântico com calado natural de 18 a 21 metros e píer de atracação para 32 navios, a ser construído em local estratégico já definido e servido por ferrovia e rodovia. (Embora o conceito originário se deu no Estado de São Paulo, este projeto é facilmente adaptável às condições de outros Estados da União).
(veja apresentação Projeto Porto Atlântico) 

Jacalixo

É um projeto eco ambiental, orgânico, gerador de emprego e renda na região do Pantanal. Envolve contratação com órgãos públicos e empresas privadas, que associando tecnologia de aproveitamento de resíduos urbanos, municipais e industriais orgânicos, utilizando a criação técnicamente controlada e legalizada do Caiman Crocodylus Yacare (Jacaré do Pantanal) e outras espécies devidamente adaptadas às regiões de sua criação, em cativeiro, resolvem o problema da disposição final dos resíduos orgânicos acima específicos dos Municípios situados nas áreas geográficas de implantação do projeto. O projeto jacalixo-jacôrganico visa a redução gradativa até a extinção total do passivo ambiental decorrente da disposição do lixo qualificado como resíduo urbano habitacional, comercial e industrial orgânico nos termos da Legislação Nacional Vigente. Este projeto assegura também, até o limite técnico qualitativo e quantitativo dos ditos resíduos a exploração comercial dos produtos decorrentes da criação do Jacaré do Pantanal e das outras espécies, como a carne, a pele e couro do Jacaré do Pantanal.
(veja apresentação Projeto Jacalixo)

Bambú

O objetivo do Projeto Bambu é a agro produção e industrialização do Bambu para a comercialização Nacional e Internacional, nos termos da Lei Ordinária nº 12.484 de
8 de setembro de 2011, de agro produtos “ in natura ” ou industrializados como:

  • produtos alimentícios (p. ex. brotos de bambu)

  • móveis e outros utensílios domesticos

  • biomassa de bambu para produção de combustível orgânico micro granulado ou de pellets a ser usado como combustível em caldeiras

  • matéria-prima para produção de carvão siderúrgico orgânico homogêneo de alto poder calorífico

  • produção de celulose de fibra média para fabricação de papel

  • produção de fibra precursora para produção de fibra de carbono de uso industrial

  • créditos de carbono decorrentes do reflorestamento brasileiro dos biomas Sul Amazônico, da Caatinga e do Cerrado.

O Projeto Bambu foi concebido para módulos agrícolas regionais de 100.000 ha divididos em sub módulos de 20.000 ha ou em projetos-piloto que podem variar de 5.000 a 10.000 ha, considerando uma produção média de 25.000 t/a de biomassa a ser produzida por 5.000 ha, quantidade expressiva a título de projeto-piloto a ser usado como incentivador da cultura de Bambu e sua industrialização.

(veja apresentação Projeto Bambú)